quinta-feira, outubro 12, 2006

Blogues colectivos, sim ou não?

Embora o postal anterior tenha material de leitura em grande quantidade não é por isso que não tenho actualizado o blogue mas sim por manifesta falta de tempo, problema que parece afectar muitos blogueiros da área nacional. De aí a propor-se à consideração a criação de um blogue colectivo vai um pequeno passo.
A ideia não é nova. E até já existe um blogue com essas características, o Jantar das Quartas. Terá vingado? Será um caso de sucesso? Independentemente da qualidade e da pertinência das análises que por lá se vai fazendo (e são ambas, felizmente, acima da média), o facto de o projecto ser animado basicamente por dois dos nove (!) tertuliantes diz alguma coisa.
Tenho-me pronunciado sempre desfavoravelmente sobre a existência de um blogue nacional. Por várias ordens de razões:
- é muito difícil assegurar a coordenação entre os participantes no sentido de evitar repetição de temas e, ao mesmo tempo, assegurar um nivelamento do número de postais diários; aquela toma bastante tempo, problema cuja ultrapassagem está na génese da ideia;
- um blogue colectivo permite concentrar os ataques dos anti-nacionais de serviço; a existência de um "blogue dos fachos", dos "reaças", dos "racistas" ou dos "nazis" (conforme a "inspiração" dos reducionistas de serviço) excita a veia insultuosa dos seus inimigos, concentrando comentários grosseiros e obrigando ao accionamento da moderação de comentários, que inibe o dinamismo dos debates;
- todos sabem que, segundo a velha máxima, juntando dois nacionalistas tem-se logo uma cisão... Como conciliar visões diferentes sem se cair nas polémicas internas, com postais e contra-postais entre colaboradores do projecto, num circuito cada vez mais fechado, quando o propósito deve ser difundir a ideia nacional a um número cada vez maior de pessoas, muitas das quais poderão estar propensas a aceitá-la mas que, por desconhecimento ou preconceito induzido pela propaganda, dela se costumam afastar?
- para fugir a esta última situação pode haver igualmente a tentação de criar blogues colectivos ma non troppo, em que todos os participantes comungam da mesma visão de nacionalismo, criando-se capelinhas de ortodoxia.
Posso parecer pessimista ao alinhavar estas reflexões e se calhar não há nada melhor do que fazer uma experiência e ver o resultado. Oxalá esteja enganado.

13 comentários:

JSarto disse...

Embora a falta de tempo seja notória, já que na direita a sério trabalha-se e não há avençados às ordens, a verdade é que não encaro com bons olhos a situação. É fácil de adivinhar que num projecto desse tipo, as clivagens acabariam por aparecer inapelavelmente entre:

a) católicos e pagãos;

b) integracionistas e identitários;

c) pró-capitalistas e pró-socialistas fascistas.

Ademais, o exemplo prático do "Jantar das Quartas", mesmo tratando-se de um blogue com um nível muito acima da média, prova à saciedade as deficiências deste género de iniciativas, e nem vale a pena especificar aquilo de que todos infelizmente ainda se recordam bem...

Mendo Ramires disse...

Análise realista de FSantos e um remate lúcido de JSarto. Vieram dizer o que eu receava ouvir, mas que é bem verdade; no entanto, gostaria de chamar a atenção para o bom exemplo que nos tem chegado, nos últimos dias, desse blogue colectivo da «Área Nacional» chamado O Futuro Presente.

Jorge Arbusto Sr. disse...

E algo ao género do http://blogscoligados.blogspot.com ??

O Corcunda disse...

Há vários pontos nesta questão, mas que me parece que têm o mesmo problema do que qualquer iniciativa nacionalista.

Primeiro que tudo há um aspecto de merchandising. O Último Reduto, o Nova Frente e o Sexo dos Anjos, são blogues que já conquistaram o seu espaço e que são lidos fora do habitual espaço político. Seria uma perda imensa.

Segundo, existe uma dificuldade em identificar linhas e objectivos para um blogue, porque existe uma grande confusão sobre o nacionalismo, que provém do plano partidário.

Terceiro, porque sem uma clara definição das ideias norteadoras não se pode dizer nada de realmente importante, duradouro ou alternativo.

Um blogue colectivo tem de ser realista, porque tem de agrupar pessoas que têm preocupações semelhantes e ideias partilhadas e tem de ter a grandeza de saber que o mais importante não são as pessoas. Não podem é cair no engodo de que uma palavra só tem um significado e de que, como uma palavra mágica, significa comunhão apenas por ser proferida.

O Corcunda disse...

Marketing... claro!

Anónimo disse...

Não me parece que seja um projecto assim tão intransponível. Dos problemas que aponta, só um é verdadeiramente problema, o terceiro. Qualquer projecto desse tipo teria de ter uma linha de orientação ideológica muito bem definida, e um número restrito de participantes (4 ou 5 no máximo, que se conheçam, de preferência), de forma a assegurar uma certa coerência. Depois, quanto ao número de postais, penso que seria fácil chegar a acordo entre todos sobre um "horário" do género "Segunda o X tem de postar obrigatoriamente, Terça é a vez do Y", de forma a assegurar actualização diária.

NC

Mendo Ramires disse...

Voltando ao remate de JSarto, acrescento mais uma acha para a fogueira:

d)monárquicos e republicanos.

Tenho esperança, apesar de tudo, de ouvir ainda FSantos sobre este assunto; quem sabe se não será para lançar o projecto...

pedro guedes disse...

Como em parte seou responsável por ele, importa dizer que acompanho este debate com o máximo interesse. Dito isto, e reconhecendo merecimento a alguns dos problemas apontados, sou tentado a pensar que temos alguma tendência para complicar o que é relativamente simples: entre pessoas civilizadas, "problemas" internos não seriam lógicos nem expectáveis. Como aliás este debate bem demonstra.
Saudações azuis a todos! Os que não forem do Belenenses, encarem-nas como falangistas... ;)

Mendo Ramires disse...

... ou nacional-sindicalistas, já que ainda somos Portugueses...!
\o

BOS disse...

Já escrevi no UR, que foi onde o assunto surgiu, que fazer e sobretudo manter um blogue colectivo é difícil, mas não é impossível. O exemplo do Jantar das Quartas, que o JSarto traz aqui muito bem à colação, não chega para provar seja o que for. Trata-se de um blogue que surgiu sem pretensões, no meio de um jantar, congregando assim meia dúzia de vontades que, se calhar, por uma razão ou outra, no dia seguinte já se haviam arrependido. Acresce que começou mal. E o que nasce torto... Eu por mim falo: sinto-me muito mais confortável em casa, blogando para as paredes, passando lustro ao velho casarão neo-frentista. A verdade é que, com a excepção do Abrupto, os blogues mais conhecidos e mais bem sucedidos são ou foram colectivos: Coluna Infame, Blog de Esquerda, Barnabé, Blasfémias, etc. Também não me preocuparia muito com as naturais clivagens de que falam o JSarto e o Mendo. Eu não estou sempre de acordo nem sequer comigo, quanto mais com os outros. Como dizia um rapaz que vocês conhecem, não há dois homens mais diferentes que o mesmo homem em dias distintos.

Simão dos Reis Agostinho disse...

Tentei em tempos manter um blog com dois amigos (a minha primeira experiência na blogosfera) e resultou mal. Conheciamo-nos, e conhecemos, muito bem mas nem por isso teve sucesso. As coisas apressaram-se, foram mal faladas, ingenuamente postas em prática e deu no que deu: morreu.
Um blog colectivo é possível, mas perigoso o suficiente para fazer esquecer a ideia, deita-la por terra. É o que pode acontecer mesmo antes de se delinear algo.
Por mim, prefiro manter-me em casa e dar pernas ao meu ainda pueril espaço.

abraço a todos

Mendo Ramires disse...

Vamos a isso!

victor abreu disse...

Dois, três, às vezes quatro, cinco com sorte, mas lá nos vamos aguentando na blogosfera...