sexta-feira, março 30, 2007

O cartaz da polémica

Que dizer do já famoso cartaz do PNR, que a Procuradoria Geral da República já declarou não ser ilegal?
Antes de mais, que desmascara mais uma vez a classe política, sempre incapaz de encarar a imigração senão como uma coisa boa para o país, sem ousar ao menos questionar a oportunidade de limitar os fluxos migratórios em função da situação do mercado de trabalho (outras considerações, como a identidade nacional, nem sequer passam pela cabeça dos nossos representantes).
Depois, a habilidade do partido em ser falado. Com a famosa manifestação após o arrastão da praia de Carcavelos, seguida de mais duas ou três com bem menos impacto, o PNR procurou ser falado através do "espectáculo", de acções que o lápis azul democrático dos media não pode ignorar, encontrando uma forma de fazer passar a sua mensagem.
Mas consegui-lo-á? Ponhamo-nos na pele do comum dos cidadãos, mais ou menos apolítico. Ele verá que o PNR diz "basta de imigração". Fica sem saber se é para se parar a entrada de imigrantes, mesmo legais, se é para repatriar os ilegais, se é mesmo para repatriar alguns (ou muitos?) dos legalizados. Quando lê "façam boa viagem", perceberá claramente o mau gosto dessa frase, posto que genericamente destinada a imigrantes sem distinção: legalizados ou ilegalizados, empregados ou desempregados, honestos ou dedicados a actividades à margem da lei, imigrantes recentes ou residentes há largos anos no nosso país.
Não há, em resumo, uma abordagem do problema da imigração de uma forma coerente e explícita. O que se vê é a indicação da imigração como o mal maior que enfrenta o país, num decalque nada imaginativo do que Le Pen vem fazendo há três décadas, sendo que o nosso contexto é bem diferente do francês, nomeadamente pela quase ausência de imigração muçulmana. Lendo o site do partido vê-se que há uma preocupação real com a perda de soberania, com o fracasso de trinta anos de democracia. Mas a táctica, não sabemos se eleitoral, é para o espectáculo, para a provocação pela mensagem - é, na realidade, uma ironia a cedência à demagogia típica dos nossos partidos democráticos por parte de quem tanto a critica.
A imigração é um problema real de Portugal, que já passou o limiar do aceitável a nível de acolhimento: já há largas dezenas de milhar de imigrantes a viver de diversos subsídios, em paralelo com muitas centenas de milhar de nacionais que não conseguem encontrar trabalho. Há guettos de imigrantes onde a polícia entra com risco da própria vida. Há escolas onde os portugueses são uma minoria. Mas não é honesto pôr os imigrantes todos no mesmo saco e em última análise a quem eventualmente se poderia com proveito e sem mau gosto desejar "boa viagem" seria quem criou este estado de coisas: a classe política, as associações ditas anti-racistas que desonestamente confundem crítica à imigração com racismo puro e simples, e muitos empresários que beneficiam da imigração ilegal para produzirem a baixo custo, remetendo trabalhadores portugueses para o desemprego e escravizando multidões de desenraízados.
Já é altura de os parlamentares tirarem a cabeça da areia e perceberem que há que pôr um cobro à imigração irrestrita. Afinal, foi a primeira-ministra socialista de Mitterrand, Edith Cresson, quem (em 1991) falou no aluguer de charters para repatriamento dos ilegais. Mas campanhas como a do PNR, pelos defeitos apontados, só contribuem para o reforço da atitude de avestruz da classe política. E para o avolumar do problema.

6 comentários:

DLM disse...

Não considero toda a imigração boa, mas os fluxos migratprios não vão para por decreto. Se eles não entram pela porta entram pela janela

DLM disse...

"não vão parar por decreto"

pvnam disse...

---» Qual é o interesse de um partido anti-imigração?
---» Sim! Qual é o interesse de um partido anti-imigração?
---» Mesmo que a imigração fosse completamente proibida... como a taxa de natalidade dos alienígenas, já com nacionalidades europeias, é MUITO SUPERIOR à taxa de natalidade dos Nativos Europeus... a longo prazo... os Nativos Europeus estarão irremediavelmente condenados a ser uma MINORIA na Europa.


-> ABRAM OS OLHOS E DEPRESSA: a ÚNICA forma de garantir que, a longo prazo, os Nativos Europeus irão possuir um espaço SEU no planeta.... é... antes que seja tarde demais... reivindicar o legítimo Direito ao SEPARATISMO .

Flávio Gonçalves disse...

Creio que foi por isso que ontem ao final da tarde o PNR efectuou uma conferência de imprensa.

A estratégia para 2007 é dar o nome a conhecer e a estratégia vem do NPD.

Antes das pessoas gostarem do PNR,têm que o conhecer.

pvnam disse...

Antes das pessoas gostarem do PNR,têm que o conhecer



Jornal Correio da Manhã, 2007-02-25: "Um estudo feito recentemente, revela que os jovens casais deixaram de lado a televisão, a poupança e o sacrifício de criar os filhos. No fundo, a herança da geração anterior. Querem é aproveitar a vida, mesmo que seja a prestações... crédito ao consumo... etc..."
{nota: no resto da Europa a situação é muito semelhante}

---» A única maneira de salvar a Identidade Étnica europeia é... mobilizar a minoria de europeus que estão disponíveis para lutar pela SOBREVIVÊNCIA da Identidade étnica europeia... no sentido de... reivindicar o legítimo direito ao SEPARATISMO.

Vanguardista disse...

Lá está você com a sua paralisante preocupação em ser "simpático", "agradável", "respeitável"... Mais moderado e soft que aquele cartaz era impossível. Um cartaz "bruto" seria: «Repatriamento de todos, JÁ!».