domingo, agosto 26, 2007

Gruselkabinett

O Gruselkabinett situa-se na Schöneberger Strasse em Berlim e constitui o único bunker daquela cidade alemã que se pode visitar como um museu. Tem três "atracções": uma câmara de horrores no piso de cima, cenas médicas de outros tempos no piso de entrada e, na cave, o bunker propriamente dito.
Tive a oportunidade de visitar este último e é uma experência como poucas. Antes de mais, de referir que não há lições de moral para os visitantes; há, isso sim, a preocupação de enquadrar a especificidade do bunker no contexto histórico da protecção dos berlinenses face aos bombadeamentos aliados, em massa a partir de 1943. Neste bunker chegaram a acantonar-se 12.000 pessoas, que tinham à disposição pouco mais de 1 metro quadrado, muitas vezes um cantinho num degrau de uma escada.
O ambiente no seu interior é, naturalmente, húmido e o espaço, em geral, conserva-se como há sessenta anos, sem grandes renovações; pode-se ver os planos da sua construção, ver objectos que lá foram encontrados (livros, documentos pessoais, utensílios), jornais da época, receitas de cozinha em tempos de escassez... Numa sala há um "espectáculo" de quatro minutos que procura reproduzir como se viveria um bombardeamento do interior do bunker: som das bombas a cair, luzes de alerta, gritos de pessoas; tudo muito sóbrio - e dramático.
Há também muita documentação sobre o bunker pessoal de Hitler, situado por baixo da Chancelaria e que, por receio de se tornar um centro de peregrinação neo-nazi, continua vedado ao público. Pode-se ver o mapa do seu interior, onde era o quarto de Hitler, o de Eva Braun, o quarto dos cães do Führer... Reproduz-se, também, o documento (cujo original está em Washington) que formaliza o casamento daqueles dois; as testemunhas foram Goebbels e Bohrmann.
O bunker é um testemunho eloquente do drama dos alemães sob os impiedosos bombardeamentos aliados.

1 comentário:

Ricardo Zenner disse...

O bunker de Hitler, por baixo da antiga chancelaria, foi demolido com trotil, e escavado (pois apenas o tecto do piso superior abateu com o trotil) pelas novas «autoridades democráticas», para se tentar apagar a História. Construiram por cima um parque de estacionamento que agora, segundo o que se vê no Google Earth, eá de novo em obras.