quarta-feira, janeiro 23, 2008

Mais um desportista contra as naturalizações

Depois de João Pinto, o jogador de futebol do Sp. Braga, se ter manifestado contra a utilização de jogadores naturalizados na selecção nacional, é agora a vez de se pronunciar no mesmo sentido João Benedito, o brilhante guarda-redes de futsal do Sporting e da selecção. Em entrevista ao jornal A Bola (edição de 19/1/2008) afirma:
«O Governo tem de impedir as naturalizações fáceis. Algumas pessoas não sabem nada de história, costumes, nem mesmo o Hino. Porque é que se tornam cidadãos do nosso país? Sou contra as naturalizações. E digo isso na cara dos meus companheiros. Só tolero se estivermos a falar de um brasileiro que esteja em Portugal há quinze anos e com família cá...»
Não se pode falar propriamente de um despertar da consciência dos portugueses perante o perigo para a identidade nacional das "naturalizações expresso", pois essa consciência sempre existiu entre nós. O que parece estar a surgir é um maior à vontade na sua manifestação, um começo de quebra das amarras do politicamente correcto. Que isso ocorra entre ídolos da juventude é um bom sinal para a difusão dessa consciencialização.

3 comentários:

O Corcunda disse...

Caro Amigo,

Concordo com o Benedito, na senda do que Figo e Rui Costa já disseram. Admito algumas excepções, no caso das pessoas tenham vindo para o país antes de iniciarem a prática profissional do desporto em causa.
O resto é uma vergonha, que equipara as selecções aos clubes... Lembro-me de um caso ridículo do Aílton, que jogava no Werder Bremen, ter sido contactado para jogar pelo Qatar (onde nunca estivera) por um milhão de dólares por ano. A FIFA declarou que iria regulamentar a necessidade de 2 anos de residência para jogar na selecção. Pergunto eu se não seria de exigir mais dois ou três aninhos, para evitar que os nossos escalões de formação estejam vedados aos nossos miúdos. Basta ver o que aconteceu ao futebol belga...

Já agora, depois do BCP o Belém?

Grande abraço

Demokrata disse...

Já gostava do João Benedito, mas agora, com esta tomada de posição, ainda gosto mais.

Um abraço.

PR disse...

O Benedito tem toda a razão. Hoje em dia, para os desportistas, principalmente brasileiros, ser portguês é muito importante, para depois poderem dar o salto para outros campeonatos já com o estatuto de jogador comunitário.
Ainda bem que ele quebrou as regras politicamente correctas e falou sobre isso e ainda bem que você reparou e publicou.