quarta-feira, maio 31, 2006

Oleirização

O homem ou faz de idiota útil ou o seu roteiro pelo interior sul já trazia água no bico, dando um impulso à "doutrina de Oleiros", segundo a qual a forma de combater a desertificação é recorrer à imigração. Ora leiam:
«- Houve um autarca que contou como estavam a ultrapassar as dificuldades: com estrangeiros. Há uma autarquia que tem dois mil ucranianos e romenos.
- Qual é a autarquia?
- Não queria expor isso aqui. É uma autarquia do Baixo Alentejo. Talvez Portugal tenha que fazer uma análise da política de imigração que lhe interessa. E que talvez possa contribuir - é algo que deve ser estudado - para inverter este ciclo de envelhecimento e de desertificação.»
Nenhuma reflexão sobre o problema da natalidade em Portugal, nenhuma proposta para a criação de incentivos a quem decida ir trabalhar para o interior, apenas a "solução mágica" mundialista, a panaceia para todos os problemas ocidentais, do défice da Segurança Social à difusão dos valores humanistas: a imigração.
Os mais ilustres membros do BE e do PS devem sentir neste momento um misto de orgulho pelo avanço das suas ideias no "campo da direita" (sic) e de incomodidade pela actual simbiose de posições perante um tema outrora tão controverso e que hoje reúne o consenso em todo o espectro parlamentar. E como o parlamento representa a Nação podemos todos dormir tranquilos: estamos em boas mãos.

9 comentários:

Anónimo disse...

«Estamos em boas mãos»?! Vê-se...

Anónimo disse...

Eu quando vi a notícia só pensei "e era este o candidato da direita?!".

NC

PlanetaTerra disse...

///

--- As mil-e-uma [ imbecis ] MANOBRAS DE DIVERSÃO dos Nacionalistas não levam a lado nenhum!...

--- É necessário assumir a situação... com Total Frontalidade: a Europa está sob o domínio de um MONTE DE BANDALHOS ( vulgo Parasita Branco -> a Maioria dos europeus ), que pretendem andar no planeta a Curtir o MAIOR FESTIM PARASITA da História da Humanidade:
-1- O Parasita Branco ( a Maioria dos europeus... ) pretende andar no Planeta a Curtir a abundância de mão-de-obra Servil...... APESAR DE... o Parasita Branco nem sequer constituir uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!
-2- O Parasita Branco ( a Maioria dos europeus... ) pretende andar no Planeta a Curtir a existência de alguém que pague as Pensões de Reforma...... APESAR DE... o Parasita Branco nem sequer constituir uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!

--->>> É necessário combater a Ditadura do Monte de Bandalhos ( vulgo Parasita Branco -> a Maioria dos europeus )... ou seja... é necessário reivindicar o LEGÍTIMO Direito ao Separatismo!!!...

///

Suevo disse...

Em relação à desertificação, o erro é considerarem que ela por exemplo no Alentejo é novidade.

A realidade de todos os territórios a sul do Douro sempre foi essa, porque como sabemos quando ocorreu a conquista desses territorios às taifas muçulmanas eles encontravam-se já muito pouco habitados, varios nortenhos (e até estrangeiros) juntaram-se aos mouros e moçarabes que habitavam essas regiões, por alguma razão D. Sancho recebeu o cognome do "povoador".

Estas politicas de imigração e “portugalização” são tão antigas como o próprio país, e ocorreram porque a população do norte não era suficiente para desenvolver e proteger todos os territórios, foi alias essa insuficiência numérica que manteve durante séculos a fronteira no Rio Douro, quando iam ao sul era simplesmente para fazer “razias”, Afonso Henriques é que alterou isso.
Foi essa a mestria politica de D Afonso Henriques e dos seus sucessores, proteger e dar direitos aos mouros, no caso do seu filho D Sancho nomeou até “embaixadores” para arregimentarem flamengos (entre outros) para povoar o país.

O curioso neste Cavaco é que não visita a região mais miserável da velha UE, ou seja o norte de Portugal, mais propriamente a região do Tâmega, mas prefere passear no meio dos seus conterrâneos.

FMS disse...

Este Suevo é inenarrável.
Ao sír de Guimarães ou ao entrar em Gaia já deve pensar que está em Marrocos.
Quem imbecilidade.

Saberá o Suevo(zeco) a quantidade enormíssima de minhotos e transmontanos que habitam no Sul, nomeadamente na área da Grande Lisboa?

Saberá o grau de parentesco que existe ente famílias de TODOS os pontos do país??

Portugal é UM SÒ, de Trás-os-Montes ao Algarve.
É esta a nossa Pátria que, diga-se, É O ESTADO-NAÇÃO COM AS FRONTEIRAS MAIS ANTIGAS E ESTÁVEIS DA EUROPA!

Este Suevo(zeco) e outros gajos do mesmo tipo (felizmente cabem todos num mini-bus) não são nacionalistas.

Eu sou do Norte e vivo no Norte mas não contribuo para este primarismo sectário sem qualquer sentido e para este bairrismo serôdio, até porque uma boa parte dos problemas do Norte devem-se a alguns nortenhos e à mentalidade 'microscópica' de alguns dos seus agentes sociais e económicos que, em pouco tempo, desbarataram um potencial imenso.

PlanetaTerra disse...

///

--- A Comunicação Social europeia propagandeia aos 'sete ventos' que a imigração é necessária para resolver o Problema Demográfico Europeu... e, assim sendo,... a imigração vai assegurar a Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social...

--- Ora, qualquer Povo do Planeta... com UM MÍNIMO de 'coluna vertebral'... JAMAIS aceitaria que viessem outros de fora... para resolver o Problema Demográfico... ou para assegurar o pagamento das Pensões de Reforma......


CONCLUSÃO ÓBVIA:
--- A ÚNICA forma de salvar ( alguma coisa ) da Identidade Europeia... é... reivindicar o LEGÍTIMO Direito ao Separatismo!!!...

///

Anónimo disse...

Estamos a viver uma autêntica colonização, do Interior ao Litoral,de Norte a Sul, até às mais reconditas ilhas dos Açores.Até os Açores estão desde a algum tempo a registar um aumento considerável da chegada de novos colonos.

Suevo disse...

Os argumentos, ou melhor a falta deles do fms é que são inanarraveis, mas são até habituais.

“Saberá o Suevo(zeco) a quantidade enormíssima de minhotos e transmontanos que habitam no Sul, nomeadamente na área da Grande Lisboa?”

E daí? Mas é claro que o Minho e Trás-os-montes sofrem há muitos séculos uma continua sangria dos seus melhores filhos e recursos, que foram espalhados pelos 4 cantos do mundo, a mim o que me espanta é que ainda existam tantos habitantes no interior do norte após tantos séculos de sangria continua (e que se acentuará nos próximos tempos graças aos “fms”).

“Portugal é UM SÒ, de Trás-os-Montes ao Algarve.
É esta a nossa Pátria que, diga-se, É O ESTADO-NAÇÃO COM AS FRONTEIRAS MAIS ANTIGAS E ESTÁVEIS DA EUROPA!”

Por mim podes defender a pátria multirracial à vontade.

“Eu sou do Norte e vivo no Norte mas não contribuo para este primarismo sectário sem qualquer sentido e para este bairrismo serôdio, até porque uma boa parte dos problemas do Norte devem-se a alguns nortenhos e à mentalidade 'microscópica' de alguns dos seus agentes sociais e económicos que, em pouco tempo, desbarataram um potencial imenso.”

O problema do norte de facto é da EXCLUSIVA e total responsabilidade dos nortenhos, sem qualquer duvida, e este fms representa sem duvida o “bom vassalo”, a maioria da população do norte é de facto como tu, por isso é que o futuro é bem negro! Se depender dos fms Entre-Douro e Minho será colonizado por “solidariedade afro-lusitana”.


Qual foi o “potencial imenso” que foi desbaratado? Essa foi para rir? Eu entendo a tua vassalagem fanática ao centralismo, mas não devias brincar com coisas serias. “Potencial imenso que foi desbaratado”… isto é de facto um insulto à nossa inteligência.

Depois parece-me nítido que o fms desconhece que, de facto, largas regiões conquistadas às taifas muçulmanas foram povoadas por “estrangeiros”, nada que não possa aprender num qualquer livro de história.

JSM disse...

Caro FSantos
Hoje é domingo e arrisco um contributo para a peleja entre suevos e outros bárbaros que nos visitam. A colonização interna teve também o alto contributo das Ordens militares religiosas, no sul já se vê. Aliás como foi dito. É preciso não esquecer que Portugal tinha e tem três pontos vulneráveis ás invasões, a saber: as 'Chaves' do reino, a ?Guarda' do reino e a 'Porta alegre' do reino. Naturalmente que esta última era a mais difícil de defender (por aqui entrou Massena, se não me falha a memória). Nestas condições, o povoamento adaptou-se a esta situação geo-estratégica.
A geografia e a guerra a condicionarem como sempre a vida do homem.
Acho que excedi o meu tempo de antena, vou ficar por aqui.
Um abraço e dê cumprimentos meus aos outros interlocutores.

PS: Caro FSantos, Você sabe que já me referi ao passeio do 'ouvidor' noutro espaço, creio que foi no nosso amigo Misantropo, por isso não vou acrescentar mais nada.O meu amigo já disse tudo.