segunda-feira, junho 26, 2006

George Orwell

O nosso amigo "Euro Ultramarino" relembrou ontem a passagem dos 103 anos sobre o nascimento de Eric Arthur Blair, mais conhecido como George Orwell. Este é um dos poucos escritores de quem li quase tudo antes dos 16 anos. Comecei pelo "1984", que devorei no ano a que o título alude; seguiram-se "Animal Farm", "Homenagem à Catalunha", "Dias da Birmânia", "Na Penúria em Paris e em Londres", etc.
Para muita gente de direita, Orwell, o socialista, o anti-colonialista, o a-religioso, é um escritor de referência pela denúncia que fez do estalinismo e dos métodos de actuação do "comunismo em prática", de que sofreu na pele nas ruas de Barcelona nos finais da guerra civil de Espanha. Para mim é, independentemente das suas ideias (recorde-se que combateu como voluntário em 36-39 no seio de um movimento trotskista, o POUM de Andrés Nin), uma figura ética, alguém que defendeu as suas ideias com coerência e coragem, que não maquilhou a realidade para melhor "vender o seu peixe" (como era - e é - prática corrente da esquerda) e que escreveu um dos livros fulcrais do século XX: "1984". A denúncia do universo estalinista e, por extensão de todos os totalitarismos, ainda hoje impressiona, sobretudo por facilmente nela reconhecermos situações bem concretas das nossas sociedades democráticas actuais. (O capítulo final sobre a Novilíngua é disso um exemplo.)
E se os métodos actuais são menos brutais que os descritos por Orwell, a sua insidiosidade merece ainda mais uma denúncia vigorosa, pela hipocrisia inerente à implementação em curso de uma tirania planetária, que conjuga "princípios" esquerdistas com o capitalismo mais desbragado, num casamento de conveniência que mergulha os povos na servidão.
Que o exemplo de Orwell nos guie na denúncia dos totalitarismos que ameaçam a liberdade dos povos.

2 comentários:

Euro-Ultramarino disse...

Meu caro Amigo,

Isto sim é que é recordar Orwell com mestria. Parabéns pelo belo texto que acerta em cheio no alvo.

Um abraço.

alex disse...

"Que o exemplo de Orwell nos guie na denúncia dos totalitarismos que ameaçam a liberdade dos povos."

Eh carago!!
Quem assim fala não é gago!!

A Luta Continua, Bush para a rua!

ahahahah