terça-feira, dezembro 19, 2006

Sobre o revisionismo

Vai assanhada a discussão nos blogues nacionais sobre a conferência realizada em Teerão para debater o Holocausto, esgrimindo-se os argumentos já estafados de ambos os lados (o que não quer dizer que alguns não sejam válidos mas tornam-se quase inúteis pois o "oponente" nunca irá ler os links sugeridos, arreigado que está à sua "verdade").
Quando se chega ao insulto, que mais não é que uma forma de ruído para calar os argumentos do rival, já não se justifica perder tempo seguindo as discussões. Quando se lê que os "negacionistas" que estiveram no Irão são ou nazis ou lunáticos (ou as duas coisas ao mesmo tempo) parece-nos que para certas pessoas ainda se poderá dar um largo uso às técnicas "psiquiátricas" tão usadas na ex-URSS.
A verdadeira questão que deveria ser debatida é muito simples: porque razão é que em muitos países do mundo ocidental é proibido investigar sobre o tema, incorrendo-se em penas de prisão, e em quase todos está na prática reservado o papel de pária aos prevaricadores da "verdade oficial"?
Enquanto não houver liberdade de investigação os defensores do dogma não estarão livres de o ver questionado - e com maior ardor do que se houvesse aquela liberdade. É evidente que qualquer pessoa desconfia que seja proibido escrever em tom crítico sobre as conclusões oficialmente definitivas sobre o tema.
Duas conclusões decorrem daqui: que a história da II Guerra Mundial está muito mal contada (senão os factos valeriam por si) e que o lobby judaico continua a ter um poder imenso, ditando leis e lançando anátemas aos heterodoxos.

3 comentários:

JSM disse...

Ora aqui está um postal que eu subscrevo na íntegra. Julgaríamos nós, ingénuos habitantes do planeta que já estivesse assumido por todos que a história é sempre escrita pelos vencedores. Por isso pensávamos, outra vez ingénuamente, que este simples facto bastaria para colocar todas as dúvidas sobre a verdade oficial. Mais, quando a verdade oficial se institui como dogma, então devemos desacreditar dela imediatamente, nem que seja por reflexo condicionado ou higiene mental.
Mas parece que ainda não chegou o tempo para sabermos a verdade, teremos que esperar pela queda do imperialismo americano, ou se calhar pela profecia dos persas.
É assim a história dos homens.
Um abraço.

ab disse...

Dentro em breve tudo isto vai acalmar.
Vão ter 25km para justificar.


Aproveito para deixar aqui um agradecimento à Chancelaria germânica por esta corajosa e derradeira 'cedência'.

Flávio Gonçalves disse...

O tema é um tabu tão grande que agora também andam a perseguir os participantes na conferência que ACREDITAM no Holocausto... isto porque se deram ao trabalho de debater com "negacionistas" em vez de os ignorarem.

Vai bem isto, vai.