quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Benito Mussolini


«Mussolini não era um covarde. Amava a sua família, amava acima de tudo a sua pobre mãe e o seu pobre pai, revolucionário sincero e destemido que nunca teve sorte na vida. Respeitava o Papa e, apesar de tudo, obedecia ao Rei. Mas se havia alguém que admirava e, quando era uma star dos jornais detodo o Mundo, guardava um silêncio de respeito e admiração, era Ghandi.»
«Estava na Política para combater, como um homem dos operários e dos camponeses donde saíra. Mas não gostava de esmagar, quando vencia. A maior parte dos oposicionistas políticos que não atentaram pessoalmente contra ele, a família ou alguns dos amigos mais chegados, da trincheira social e da trincheira da guerra, deixou-os sair do país sem lhes tocar num cabelo. Ajudou alguns, discretamente, quando estavam no exílio. Um deles, dirigente comunista histórico, decidiu morrer com ele, em Saló. Niccoló Bombacci morreu em frente ao Lago de Como como os outros fascistas. Enquanto uns se lvantavam do chão ainda de braço estendido, Bombacci morreu de punho erguido gritando "Viva Mussolini, Viva o Socialismo!"»
«(...) continua vivo no coração de milhões de pessoas. Só houve uma vez na História que a Máfia teve medo de alguém. Foi com Benito.»
***
(Um texto magnífico no "Duas Cidades".)

2 comentários:

Anónimo disse...

Num certo dia de Abril que não o 25 (neste seria por diferentes razões) visto o meu uniforme negro com a respectiva gravata e assim vou para o trabalho. Surgem as perguntas normais: - Morreu-te alguém!?
- Sim, há muito tempo!

Il Duce!
Presente.


Legionário

Sikandar disse...

amava l' Italia!!!