quarta-feira, maio 16, 2007

Ódio e mistificação

«O ódio como elemento de luta; ódio infindo pelo inimigo, que leva um ser humano para além das suas limitações naturais, transformando-o numa máquina homicida efectiva, violenta, selectiva e de sangue frio.»
«Sinto as minhas narinas a dilatar ao saborear o cheiro acre da pólvora e do sangue do inimigo.»
Estas simpáticas palavras, imbuídas - como se constata - do mais acrisolado amor à espécie humana, são de um dos ícones desta estúpida era em que vivemos: Che Guevara. Figurão que continua a ser homenageado e a ser alvo de manifestações "culturais", como esta.
Para um retrato implacável do assassino espreitem esta página.

3 comentários:

Carreira disse...

Criei um blogue de opinião que agora estou a divulgar.
Se tiver interesse, não deixe de fazer uma visita: http://www.cegueiralusa.blogspot.com/
Caso goste, por favor divulgue, pois pretende ser mais um espaço de discussão em busca de uma cidadania mais activa.
O meu muito obrigado.
Com os melhores cumprimentos,
José Carreira

Anónimo disse...

Irei visitar

Tony Carreira

JSM disse...

Caro FSantos
A segunda divisão mental para onde recaímos, tem naturalmente os seus ídolos a condizer. Estranho seria que entre nós se lembrassem do condestável, por exemplo... como exemplo.
Um abraço.