quinta-feira, outubro 04, 2007

Centenário da morte de Alfredo Keil

Autor de "A Portuguesa", hino nacional desde a república, Alfredo Keil foi uma figura de grande relevo na cultura nacional de Novecentos. Pintor de talento (como pudemos testemunhar na exposição que lhe foi dedicada há poucos anos no Palácio da Ajuda) e compositor de talento, Keil legou-nos obras notáveis, que espelham um sentir e uma sensibilidade portugueses extraordinários para este filho de um alemão e de uma alsaciana.
Composta na ressaca do ultimatum inglês, "A Portuguesa" não tem nada de republicano, tal como o autor não perfilhava esses princípios, sendo isso sim a manifestação de um patriotismo indignado e acrisolado. Mas, adoptada pelos golpistas do 31 de Janeiro de 1891, ficou para sempre associada ao regime que se veio a implementar a 5 de Outubro de 1910. Hoje vamos ouvir muitas vezes que o autor "faleceu três anos e um dia antes da implantação da república", como se esta fosse um anseio de Keil! Mas o regime adora alimentar estes mitos, como adora esquecer o caos, as arbitrariedades por ele cometidas, a desnecessária entrada na Grande Guerra, os n governos em 16 anos de completo desgoverno.
Hoje a Antena 2 dedica parte da sua emissão ao grande compositor, destacando-se a transmissão da ópera "Suzanna", em versão de concerto, tal como foi interpretada em 18 de Maio deste ano em Lagoa pela Orquestra do Algarve, dirigida pelo jovem e talentoso maestro Cesário Costa (14h00).

3 comentários:

Anónimo disse...

Diário da República, 2ª série - Nº 191 - 3 de Outubro de 2007 - pag. 28749

Aviso nº 18915/2007
Concede a nacionalidade portuguesa, por naturalização, a Fode Mané

Mais um transmontano de 5º geração

acja disse...

FG,este blog està simplesmente espetacular.
Obrigado!

F. Santos disse...

Obrigado, eu.
Um abraço.