sexta-feira, abril 07, 2006

Delírio anti-racista

Criaram a figura do "abuso racial" para designar insultos racistas, assim proibidos por lei e que configuram na prática um crime punível. Agora chegou-se ao cúmulo de levar um miúdo de 10 anos a tribunal por ter chamado "paqui"[stanês], "preto" e "Bin Laden" a um colega. Passa-se isto na Grã Bretanha dos nossos dias.
O juiz encarregue do caso declarou que levar a tribunal uma questão de miúdos passada num recreio de escola é um disparate. Mas os zelosos anti-racistas de serviço retorquiram de golpe que o juiz está "desactualizado" face à forma como «estes assuntos são tratados na escola hoje em dia». Não duvido - e fico arrepiado por isso.
Para quem quer ficar indisposto com o estado de pura estupidez e controlo das mentes a que chegámos, é ler aqui a história completa.

6 comentários:

alex disse...

Chamou-lhe é poucas!

Caturo - PRESENTE!
:)

Anónimo disse...

Antigamente atiravam-se os hereges à fogueira, hoje os metodos são mais requintados, mas a mentalidade é a mesma.

NC

Anónimo disse...

Isto lembra-me a história do dono de um cavalo, também em Inglaterra, que foi apresentado a tribunal sob a acusação de crime racista, por o quadrúpede de que era proprietário haver escoiceado um paquistanês...

Paulo Cunha Porto disse...

Eu tinha cuidado, o Teu novo "template" pode ser dado como um insulto à comunidade asiática, na medida em que esta cor é usada como tapete.
Tens dúvida de que é assim que funcionam os raciocínios tortuosos desta gente?
Ab.

Mendo Ramires disse...

E o pior é que há muito 'boa' "nossa gente" que alinha nestes delírios de auto-flagelação!

Anónimo disse...

Se um diz mata
outro diz esfola!

Caturo - PRESENTE!
ahahahah!