quinta-feira, novembro 02, 2006

Genocídio ucraniano

Depois dos arménios, os ucranianos. A exemplo do que votou o parlamento francês, também a Ucrânia se prepara para criminalizar - ou pelo menos multar - quem negue publicamente a ocorrência do genocídio perpetrado por Estaline aquando da colectivização forçada a que foi submetida aquela ex-república soviética.
Pelo menos quatro milhões de pessoas morreram de fome devido à apreensão forçada das colheitas por parte do poder soviético.
O nosso amigo Sarto em tempos recomendou esta obra, que retrata o drama vivido pelos ucranianos às mãos das arbitrariedades e selvajaria estalinista.

2 comentários:

a voz disse...

A obra de Robert Conquest é correcta.
Da sua leitura fica-se com a ideia correcta do que foi o terror estalinista

O Raio disse...

Por mais massacres que tenham existido é a negação da democracia criminalizar-se quem os negue.
Eu, por exemplo, não tenho a minima dúvida de que o holocausto nazi existiu, conheço mesmo um sobrevivente de um dos campos de extermínio mas, se esta moda chegar a Portugal a minha primeira vontade é começar a negar estes holocaustos todos!
E depois ainda há quem tenha a suprema lata de dizer que a europa é democrática...